Principais organizações de transporte alertam Governos sobre a reação automática à variante Ômicron, que põe a cadeia de suprimentos em grande risco

Reações automáticas à variante Omicron estão pondo os trabalhadores do transporte e a cadeia global de suprimentos em grande risco de colapso e alarmando as organizações de transportes e uniões que representam o transporte aéreo, marítimo e rodoviário.

Trabalhadores do transporte além das fronteiras, incluindo marinheiros, tripulação aérea e motoristas precisam estar aptos a continuar seus trabalhos e cruzar fronteiras sem regras de travessia excessivamente restritivas, manter as já fragilizadas cadeias de suprimentos em movimento.

A IATA, Associação Internacional de Transporte Aéreo, ICS, Câmara Internacional de Transporte Marítimo, IRU, a União Internacional do Transporte Rodoviário, e o ITF, Federação Internacional de Trabalhadores do Transporte, têm, em conjunto, convocado os governos a novamente impor maiores restrições nas fronteiras, que limitam ainda mais a liberdade de movimento dos trabalhadores de transporte internacional, aprendendo das lições dos últimos dois anos.

Faz uma semana desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) designou a nova cepa, Omicron, da COVID 19 como “variante preocupante”, pelo menos 56 países têm novamente imposto variados graus de restrição.

Os organismos de transporte, que representam mais de $20 trilhões dos negócios no mundo e 65 milhões de trabalhadores dos transportes através da cadeia de suprimentos, pedem por um final para a exasperada e fragmentada abordagem para as regras de viagem por parte dos governos. Agora é o momento para os cabeças do estado ouvirem os líderes e trabalhadores da indústria, tomando medidas decisivas e coordenadas para amenizar a deformação na cadeia de suprimentos, e dar suporte a uma força de trabalho global exausta durante a movimentada temporada de festas de fim de ano.

Hoje os organismos de transporte também expressaram frustração pelo fato de os governos estarem negando tomar medidas claras em relação aos líderes mundiais em Setembro em relação a:

· Garantir trânsito livre e seguro para os trabalhadores do transporte.

· Priorizar os trabalhadores do transporte para receber vacinas reconhecidas pela OMS.

· Adotar protocolos duradouros de viagem e saúde desenvolvidos pela indústria de marinheiros, motoristas e tripulação aérea, como endossado pela OMS e outras organizações.

· Criar certificados de vacinação globalmente harmonizados, digitais, e mutualmente reconhecidos para a demonstração de credenciais de saúde (incluindo status de vacinação e resultados de testes de COVID 19), que sejam supremos para assegurar que os trabalhadores do transporte possam cruzar fronteiras internacionais.

· Increase global vaccine supply by all means at our disposal in order to expedite the recovery of our industries.

· Melhorar o suprimento global de vacinas através de todos os meios disponíveis para acelerar a recuperação das indústrias.

Um encontro de crise com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Mundial do Trabalho (OMT), para discutir as recomendações e o impacto que os banimentos de viagem ou outras restrições em resposta à variante Omicron terão sobre os trabalhadores do transporte e a cadeia global de suprimentos está marcado para Segunda-Feira, 6 de Dezembro.

Umberto de Pretto. Secretário Geral, IRU, disse: “Mais uma vez. A história da COVID 19 está se repetindo e os governos estão, unilateralmente, mudando centenas de regras que afetam trabalhadores do transporte internacional em questão de horas. Motoristas de caminhão, novamente, pegos no meio do caminho e pagando um preço alto, simplesmente por fazerem seu trabalho e manter a cadeia global de suprimentos funcionando. Eles, e todos nós que confiamos no trabalho deles, merecemos muito mais.”

Willie Walsh, Diretor Geral, IATA, disse: Depois de quase dois anos lidando com a COVID 19, nós deveríamos ter tido progresso além dessas automáticas, descoordenadas e pavlovianas respostas. Agentes de saúde pública nos dizem que nós deveríamos esperar que variantes surgissem. E até o momento em que são detectadas, a experiência nos mostra que elas já estão presentes no mundo todo, Restrições fronteiriças que bloqueiam tripulação aérea de fazer seu trabalho, não ajudará em nada para prevenir isso enquanto infligem sérios danos para a, ainda em recuperação, cadeia de suprimentos e economias locais.

Guy Platten, Secretário Geral, ICS, disse: “É uma espécie de dia da marmota para o setor de transportes. Há um real e legítimo medo de que a menos que uma ação coordenada seja tomada pelos líderes mundiais nós veremos o retorno ao pico da crise da troca de pessoal, como em 2020, quando mais de 400,000 marinheiros foram impactados por desnecessárias e duras medidas de restrição. Nossos trabalhadores dos transportes trabalharam exaustivamente pelos últimos dois anos ao longo da pandemia para manter a cadeia global de suprimentos em movimento, e eles estão no limite. Dezembro é tradicionalmente uma época ocupada para marinheiros retornarem para casa, para suas famílias e os governos devem a eles uma chance de passar algum tempo com seus entes queridos.

Stephen Cotton, Secretário Geral, ITF, disse: “Os mesmos governos que têm bloqueado o acesso global à vacinas são agora os primeiros a fechar suas fronteiras para manter a Omicron fora de seus territórios. Em vez de buscarem uma solução global para a pandemia, suas decisões aumentam o risco de que a cadeia entre em colapso. Não é apenas moralmente repreensível, é economicamente autodestrutivo. Nós precisamos de acesso universal a vacinas agora. Isso é imperativo para todos os governos parar de nos curvar às grandes farmacêuticas e pavimentar o caminho para que dessa forma todos os países possam produzir as vacinas necessárias para por fim a essa pandemia.

FONTE: NTC – https://www.portalntc.org.br/principais-organizacoes-de-transporte-alertam-governos-sobre-a-reacao-automatica-a-variante-omicron-que-poe-a-cadeia-de-suprimentos-em-grande-risco/

Fechar Menu